Quem conferir verá que mesmo que pudesse interceder, o espectador não saberia a quem socorrer. “O VOO DAS BORBOLETAS” é um texto escrito na década de 90 por Ivan Antônio - ator, diretor teatral e dramaturgo de Paulista em Pernambuco, que reside atualmente, na cidade de Camaçari, no Estado da Bahia. Essa peça foi criada durante pesquisa que Ivan fez ao conviver com ex-presidiárias que eram suas alunas nas oficinas após cumprir penas nos presídios femininos no Estado de São Paulo.


A escolha da montagem em Fortaleza (CE) será uma celebração do encontro do dramaturgo Ivan Antonio com a atriz e diretora teatral Márcia Ribeiro, ou seja, entre aquele que iniciou a pesquisa e aquela que dá continuidade. Márcia foi aluna de Ivan e atriz de vários espetáculos de sua autoria na época de 90 na Capital Paulista.


Para Ivan Antonio, Márcia hoje é a personificação do método, ela é visceral como artista e pesquisadora. Foi com Márcia e os atores de “O VOO DAS BORBOLETAS”, Aurélio Barros e Kátia Camila que o diretor teatral encerrou sua pesquisa de rua vinte anos após ter iniciado na capital Paulista. “A pesquisa pra mim como poeta e encenador, encerrou-se em maio desse ano, quando Márcia Ribeiro, Aurélio Barros e Kátia Camila, dividiram comigo a companhia das estrelas e de vários cidadãos sem tetos na Praça do Ferreira. Fortaleza é de fato pra mim a Terra da Luz. Iluminou-me e tornou-se farol para meu trabalho”, revelou Ivan.


A Pesquisa

Além dos laboratórios em presídios, o VOO DAS BORBOLETAS segue um itinerário de pesquisa permanente. Os atores do espetáculo têm sido atendidos por Marcos Aurélio que é Pedagogo, Psicopedagogo, Orientador Educacional e Master em PNL – Programação Neurolinguística, pela Escola de Ciências Comportamentais. Aurélio é também, Acadêmico em Psicanálise e desenvolve um profundo trabalho na construção da identidade com as personagens no sentido de dar sentido ao ato de representar.

Os atores passam por sessões de relaxamento, técnicas de respiração e de PNL, haja visto ser um tema muito tenso e que os atores precisam desse trabalho para fazer a dissociação dos sentimentos vivenciados. Há uma preocupação significativa para que os mesmos desenvolvam o seu trabalho com consciência do fazer artístico, ressignificando os sentimentos por meio da atuação. Esse trabalho acontece desde os atendimentos individuais até as atividades em grupo com técnicas vivenciais da PNL - isso, para que haja um suporte na associação das personagens e, em seguida, uma ressignificação dos sentimentos.


O Teatro da Solidão Solidária

É uma metodologia criada aproximadamente vinte anos atrás, quando o poeta, dramaturgo e diretor teatral Ivan Antônio, iniciou a sua pesquisa que consistia em dormir pelas ruas das grandes metrópoles brasileiras disfarçado de morador de rua para poder entender a solidão de homens, mulheres e crianças em situação de extrema exclusão social.

A intenção de Ivan era transformar sua pesquisa em dramaturgia, instrumentalização corporal e vocal para atores e caminhos para a cultura de paz entre segmentos sociais distintos separados pela intolerância, como o faz até hoje. Paralelo a sua pesquisa, o autor do método fundamentou-se de suas vivências na rua e em presídios onde ministrava oficinas para presidiários, quarteis do exército, convivência com refugiados na Europa, tribos indígenas no Brasil e nativos Cherokees no EUA.

A partir daí, Ivan Antônio começou a escrever a sua dramaturgia intitulada TRILOGIA DA DOR que engloba espetáculos que tiveram suas estreias no Brasil e depois circularam por outros países representando o Brasil em festivais de cultura. São três peças de teatro onde a dor da opressão navega pelo tempo, além de fazer o pesquisador expor as vísceras da solidão humana transitando pelo passado, presente e indicando as amarguras do futuro nos seus espetáculos: UM SANATÓRIO PARA FREUD (Ditadura Militar) O VOO DAS BORBOLETAS (A opressão sobre as mulheres no Brasil de hoje) e A CANÇÃO DOS CONDENADOS (Pena capital cada dia mais previsível).


A INTROSPECTUS CIA DE TEATRO

Ela foi montada em Fortaleza por Márcia Ribeiro quando a atriz retornou de São Paulo para o Estado do Ceará. A artista fez da sua Companhia Teatral, o principal núcleo de pesquisa do TEATRO DA SOLIDÃO SOLIDÁRIA no Brasil. Agora, Márcia segue a pesquisa iniciada pelo mestre, já tendo dormido anteriormente na rua também disfarçada de sem teto. Atualmente, a diretora teatral tem realizado com a INTROSPECTUS CIA. DE TEATRO, visitações na Unidade Prisional Irmã Imelda Lima Pontes e no Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa, que, em breve, contará com uma temporada do espetáculo “O VOO DAS BORBOLETAS”. A finalidade é perceber e melhor compreender, sobretudo, a solidão e realidade das internas que vivem num cenário considerado marginal.


Ficha Técnica


*Texto e direção: Ivan Antonio

*Assistentes: Márcia Ribeiro e Aurélio Barros

*Elenco: Aurélio Barros, Kátia Camila, Márcia Ribeiro, Tatiane Albuquerque

*Produção: Márcia Ribeiro

O Voo das Borboletas


*Estreia: 02 I 09 I 17

*Temporada: 03, 09, 10, 16, 17, 23 e 24 de Setembro de 2017

*Horário: 20h

*Local: Teatro SESC Emiliano Queiroz

*Endereço: Av. Duque de Caxias, 1701 – Centro

  Fortaleza – Ceará

*Ingresso: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)

*Informações: 3452.9090


Assessoria de Imprensa:

*Eduardo Galdino

(85) 9 8430.2505 (OI)

(85) 9 9913.1532 (TIM)

e-mail: jornalistaeduardogaldino@gmail.com


















     


Cena teatral cearense conhecerá o espetáculo que o TEATRO DA SOLIDÃO SOLIDÁRIA intitulou de O VOO DAS BORBOLETAS



A história de três mulheres que tentam sobreviver num cenário de dor e submissão será narrada pelo espetáculo “O VOO DAS BORBOLETAS” que a  INTROSPECTUS CIA. DE TEATRO estreará em 02 de setembro próximo, às 20 horas, no Teatro SESC Emiliano Queiroz, onde cumprirá temporada nos dias 03, 09, 10, 16, 17, 23 e 24 do mesmo mês. A peça terá como cenário, um cativeiro, onde o universo feminino será discorrido através do caos que mostrará durante as apresentações, um sequestro onde ninguém sabe quem é a vítima e o algoz.